Grávida pode fazer regime?


É comum sentir mais fome durante a gestação, pois o corpo está gastando as energias no desenvolvimento do bebê


O ganho de peso durante a gestação é muito comum, afinal, muitos fatores contribuem para esse aumento, como: o bebê que vai crescendo dentro do útero, a placenta e o líquido amniótico que se desenvolvem para acolher o feto e até o volume sanguíneo no organismo que aumenta para suprir as necessidades da gestante.


Os números a mais na balança são considerados normais pelos médicos, principalmente após os três primeiros meses, visto que o corpo feminino passa por diversas mudanças ao longo da gestação. Nesse processo, o aumento da gordura corporal na mulher é notado, principalmente, na região dos seios, abdômen, quadril e coxas.


Para saber se a gestante ganhou peso adequado nesse período, é feita uma conta que considera o peso e a altura da pessoa, conhecido como cálculo IMC (Índice de Massa Corporal). Além disso, o pré-natal feito corretamente e o acompanhamento médico frequente podem indicar se o aumento de peso está saudável ou não.


No entanto, algumas mulheres incomodadas com os quilinhos a mais na gravidez podem tomar algumas atitudes a fim de emagrecer, mudando a dieta e até alguns hábitos diários. Mas será que grávida pode fazer regime? Veja o que dizem os especialistas:


Grávida pode fazer regime?


A grávida pode sentir fome com bastante frequência. De acordo com a nutricionista Kenia Lovizon, especialista do Grupo Huntington, esse apetite constante ocorre porque o corpo demanda mais energia do que o comum, para a formação do bebê e manutenção de todos os processos fisiológicos durante a gestação.


Por conta disso, o acompanhamento com obstetra e nutricionista é primordial para que, juntos, consigam identificar possíveis problemas alimentares. Se eles notarem que o ganho de peso da grávida está fora da curva do que eles esperam, e possivelmente ocasionando algum problema de saúde, um regime pode ser indicado.


"Regime nada mais é do que a retirada de produtos, ingredientes e formas de preparo dos alimentos que sejam inflamatórios, cancerígenos e altamente tóxicos", esclarece a especialista.