Menu Rápido
Orçamento Rápido
Endereços e Contatos

Orçamentos: farmacia@cedroni.com.br

 

11 2764.3700 | 11 3277-3753

WhatsApp 11 99350-7997

0800 7733 700

 

Consultoria Técnica Farmacêutica

11 2764-3747

farmaceutica@cedroni.com.br

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Tumblr Social Icon
  • Instagram

Copyright © 2019 - Todos os Direitos Reservados - Farmácia Cedroni - Desenvolvido por Acasadearte 

O perigo dos agrotóxicos para as crianças

Com o organismo em pleno desenvolvimento, os pequenos seriam especialmente afetados pelos pesticidas aplicados na comida



Hoje, são vendidos mais de 2 300 tipos de agrotóxicos no Brasil. Não é à toa que, de 2007 a 2014, o país tenha registrado 25 mil episódios de intoxicação por esses produtos, de acordo com um levantamento da Universidade de São Paulo. Desse total, um quarto das vítimas são crianças e adolescentes.


Há indícios de que a ingestão das substâncias eleva o risco de dores de cabeça, náuseas e até mesmo câncer. Se a alta exposição atingir os pais, a criança pode ser afetada ainda na barriga da mãe, como observou a farmacêutica Lidiane Silva Dutra, da Fundação Oswaldo Cruz.


Entre 1994 e 2014, ela notou um aumento nos casos de malformações congênitas nas regiões onde a população tinha maior contato com agrotóxicos. “São necessárias mais ações de vigilância em saúde e diminuição da exposição nesses locais”, alerta.


Recados importantes quando se fala em pesticidas


Não fuja dos vegetais: os dados assustam, mas ninguém deve restringir verduras, legumes e frutas. Eles são supernutritivos.


Invista no orgânico: apesar do preço salgado, é a melhor alternativa para garantir itens produzidos sem uso de agrotóxicos.


Hortas são uma boa: dá para cultivar alguns alimentos em casa. Se não tiver espaço, procure ou crie uma horta comunitária.


Lavar ajuda um pouco: ”Mas só limpa resíduos superficiais. O que penetrou no alimento não sairá assim”, avisa Lidiane.


Comece a cobrar: “Devemos exigir dos governantes medidas que nos protejam da exposição”, defende a pesquisadora.


Fonte: saude.abril

3 visualizações