Saiba como cuidar das tranças nagô


Se não forem cuidadas corretamente, as tranças nagô podem causar alopecia por tração


A trança nagô - ou trança raiz, como também é conhecida -, é uma técnica de trançado feita bem rente à base dos fios do cabelo, estendendo-se por todo o comprimento. É possível realizar esse trançado de dois jeitos: utilizando somente o cabelo natural ou com a adição de fios de fibra sintética. A segunda opção é a mais utilizada.


Por causa da proximidade com o couro cabeludo, e também por tensionar os fios, a aplicação incorreta ou o mal cuidado das tranças nagô pode causar alopecia por tração.


Este é um tipo de queda de cabelo causado por um processo inflamatório no couro cabeludo. Ela pode até mesmo destruir o folículo capilar definitivamente.


Esse tipo de perda de cabelo é mais comum entre as mulheres negras, como relata a dermatologista Julia Rocha, especialista em doenças do cabelo.


"As mulheres negras são comumente acometidas, em função do uso ininterrupto de penteados apertados, como as tranças, e adornos - como os turbantes -, que simbolizam uma conexão importante com a ancestralidade, e relacionam-se fortemente ao processo de empoderamento de muitas pessoas", elucida a médica.

Apesar de ser mais recorrente entre pessoas negras, esse problema pode atingir a todos. "O uso de rabos de cavalo apertados e extensões capilares, como mega hair, também podem desencadear o quadro", ressalta a dermatologista.


Os cuidados com as tranças independem da curvatura do fio. Mas tem um fator que deve ser considerado antes do trançado: a força do cabelo. "Quanto maior for a fragilidade dos fios e menor a densidade dos mesmos, estaremos diante de uma maior probabilidade do desenvolvimento da alopecia por tração", pontua Julia Rocha.


Para curtir o penteado mantendo a saúde do couro cabeludo, veja a seguir como cuidar corretamente das tranças nagô e evitar a alopecia por tração.


Como evitar alopecia por tração usando trança nagô


A alopecia por tração acontece, geralmente, na parte frontal da cabeça, próximo à testa. A dermatologista Nandara Paiva explica o motivo.